by Sofia S. 09 Aug, 2017

Today, 9th of August 2017, marks ten years since the beginning of the financial crisis which had devastating effects in the life of thousands and thousands of people around the world and filled the pockets (even more) of a few privileged people.

Back in 2007 I was about to become a freshman at University as classes were about to start in a few weeks’ time. I was 23 years old, determined to give my absolute best, focused and motivated.

I went to University a bit later than most people do but life happened that way for me and that’s fine. What matters is that despite all the adversity, I went and I graduated.

In July 2007 I was partying hard in Ibiza with three of my friends and we had the best time together. Memories I will cherish forever. 

However, I don’t recall having heard anything about a financial crisis, all I knew was something about a Wall Street crash back in 1920-something and obviously, that subject was completely outside of my radar. Investments? Banks? Nah. Not a subject for me. It wasn't until Lehman Brothers collapsed that I remember the general panic and that things really started to look bad. Or maybe I was just not paying attention before.

I completed High School with a Diploma in Pottery and Ceramics. At University, studied Marketing, Advertising and PR because at 23 years old I finally decided I wanted to be a copywriter.

I wanted to be the person that writes ads and creates content; I wanted to surrender myself to my artistic vein, to allow for my creativity to fully blossom and develop. I had come to the conclusion that my path was an artistic one and it was time to embrace my future. I had it all figured out. Even when I got pregnant with my daughter during the second semester at Uni, I carried on.

I took a gap year (school year of 2008/2009) because birth was scheduled for December so I couldn’t attend the January exams relating to courses beginning in September. It was the wise thing to do.

When I returned to Uni for my second year (2009/2010) my motivation was stronger than ever. I now had the cutest tiny little human who would be looking up to me and to everything I’d do, she depended on me and it was my duty to ensure all her needs were taken care of. I started to do everything with her in mind and solely having her best interests at heart. And that’s when things changed.

Things were not good at home and that’s as far as I will go in relation to exposing that part of my life. The only thing I’ll say is this: the worst things got, the stronger my motivation to succeed would get.

As part of my course, I needed to attend a Business class. It was only one semester but that Professor gave us two separate classes so in some ways they were linked. For the sake of simplicity, let’s say I had two business classes the same semester.

A few lessons into the class and I felt like I had seen God. What on Earth had I been doing studying arts all my life because that was so not the right path for me.

I landed a job at a Bank shortly after that and from there on, I became determined to learn as much as I could on my own because switching courses to Business or Economics was not an option. I didn’t had the funds and didn’t want to feel like I’ve wasted two years of my life. Especially when I had to take into consideration that I went to Uni later than usual.

I did countless online courses on platforms like Coursera and some of them were so daunting and full of jargon – not to mention the fact they were all in English – so I actually had to repeat a few of them until I could grasp what they were on about.

I started reading the Financial Times so I could understand what was happening in the financial world. I took advantage of a few colleagues that were much more knowledgeable than me to ask questions and learn from them. I became an avid reader of a Portuguese Business newspaper and slowly things started to fall into place and words I had no idea what they meant before, I now recognized and understand them.

I did all of this while looking after a new born, whilst working and whilst attending University. Talk about will power. Looking back, I have no idea where I got the strength from but I did it nonetheless.

I have been working in this industry for nearly 10 years now. I have seen people come and people go. I am blessed to be able to work in an industry that I genuinely love. There is not a single day that goes like the previous one. Everything changes at an incredible pace and if you stop, you become obsolete.

Ten years on since the beginning of the financial crisis, have we learned anything?

I hope so. I see firms committed to give the example from the top; there is more regulation; there is more awareness.

Do I believe that it will happen again? Unfortunately yes but maybe not as the ones we’ve seen before. The financial services industry business is the money business and the goal is to make even more money using someone else’s money. It’s called an “investment” and it can go right or wrong. You risk what you can afford to lose.

The problem with that statement is that the majority of people that cannot afford to lose are usually the ones that end up losing everything even though they have never placed a penny in an investment.

It starts with a family member losing its job. Then, one bill gets left behind, then another and by the time you realise you’re receiving a letter from the Bank saying you’re facing your home is being repossessed.

It’s scary to witness how the financial crisis has long been forgotten by the industry and yet it’s the complete opposite for consumers. People  that ten years on, on a daily basis still worry about a new potential crash and what effect will it have – again – on their families and how will they cope.

It’s a cruel business the money business so I guess it’s totally legitimate for people to ask me why am I in it? How can I associate myself with such practices? The answer is simple. I genuinely believe I can make a difference. No matter how small. I believe in fairness and in righteousness. I believe in doing the right thing so I don’t mind being associated with such industry because if more of us believe in the same thing as me, maybe one day, thinking about a financial crisis where people are left to starve and homeless for no fault of their own will sound surreal and impossible.  

Thankfully, I know I'm not alone in this. I have met so many great people, so many professionals that are a tribute to this industry and profession.

I act in a way I know I will never have to bow my head in shame and in a way that it won’t disappoint my family and have their values judged by others due to my actions. I will never act in a way that will make Diana ashamed of being my daughter. I will always do what my heart tells me is the right thing to do. 

One can dream and, so far, all my dreams have come true.

Like I said. Motivation.

 

More posts

Trabalhar no Reino Unido - A minha história

  • by Sofia S.
  • 06 Jun, 2016
A última vez que aqui escrevi foi há pouco mais de dois anos. Desde essa altura, tanta coisa aconteceu. Tantas mudanças, tantas pessoas já cruzaram caminho comigo e saíram da minha vida quase tão rápido como entraram. Não por algum motivo específico mas apenas porque às vezes a vida é assim mesmo. 

Estou em Inglaterra há quase três anos e cada vez que penso nisso fico ligeiramente boquiaberta porque não parecem três anos. De certa forma parece que estou aqui há mais tempo, mas por outro lado parece que foi ontem que aqui cheguei. 

Da última vez que escrevi, estava a trabalhar para uma seguradora. Odiava aquilo. Detestava o trabalho em si e ficava super longe da minha casa. Tendo em conta que na altura não tinha carro, demorava horas a chegar ao trabalho e horas a voltar. No entanto, os meus colegas eram absolutamente incríveis – o que tornava o dia bastante melhor, diga-se de passagem – e fiquei bastante próxima com alguns. Passámos de colegas a amigos.

Foi através desse trabalho – e através do meu então chefe – que tive a oportunidade de voltar a trabalhar na minha área – finanças – mas desta vez, e pela primeira vez em terras de Sua Majestade. Ele sabia o quanto eu estava infeliz a trabalhar com seguros e quando soube de um trabalho na minha área e mais perto de minha casa, enviou o meu currículo e acabei por ser chamada para uma entrevista. Consegui o trabalho mas infelizmente, poucos meses depois, esse projecto foi transferido para Londres e como eu não estava interessada em deixar Bristol (assim como todos os meus colegas) rescindimos amigavelmente. 

Desse projecto, consegui entrar para os quadros de um dos maiores Bancos mundiais. Estive lá durante 1 ano e meio e enquanto procurava por novos desafios, candidatei-me a um cargo numa PME (Pequena e Média Empresa) que se especializa numa área muito específica de investimentos. Optei por me candidatar a esse cargo e, eventualmente, aceitar a proposta que me fizeram por dois motivos:

1.        Ao trabalhar num Banco tão grande, o meu trabalho passava despercebido e não há forma de fazer a diferença (acreditem, eu tentei e não acabou bem). Para além disso existem pessoas com egos demasiado grandes cujo único propósito na vida é alimentar o ego através do abuso a funcionários que na estrutura hierárquica estão abaixo deles. Já não conseguia aguentar aquilo e como estava a entrar numa espiral super depressiva vim-me embora. 
2.       Trabalhar para uma PME oferecia-me a oportunidade rara de trabalhar num nicho de mercado onde não existe abundância de pessoas qualificadas. Isto permitia-me uma diferenciação no que diz respeito a especializações nesse tipo de investimentos.
  
Infelizmente - como vim a perceber rapidamente - pessoas com grandes egos e mentes pequenas podem surgir independentemente do tamanho duma empresa e trabalhar ali, revelou-se uma autêntica decepção. 

Trabalhei inúmeras horas sem pedir horas extraordinárias porque realmente acreditava que o mais importante era ter orgulho na minha ética de trabalho e garantir que os clientes receberiam o melhor resultado possível para os pedidos, considerando as taxas elevadas que a empresa cobrava aos clientes (e além do mais existem prazos legais a ser obrigatoriamente cumpridos). 

Fui estúpida, não fui? Eu sei, mas pronto… Vivemos e aprendemos. Apesar de estúpida, se há algo que não conseguiram roubar de mim, foi o sentimento de voltar para casa, deitar a cabeça na almofada e sentir-me bem comigo própria. Saber que eu fiz por alguém, aquilo que eu gostaria que fizessem por mim se fosse o inverso. E isso não tem preço. Trata-se do meu próprio orgulho e ética profissional e há coisas que o dinheiro simplesmente não compra nem nunca vai comprar. 

Mas adiante. Infelizmente, ter ética não leva ninguém muito longe se tivermos que trabalhar com grandes egos e mentes pequenas; Por esse motivo, 6 meses depois voltei ao mercado de trabalho à procura de emprego.

Vale a pena mencionar que as pessoas com grandes egos não eram sequer uma mão cheia. No entanto, o efeito negativo que esse tipo de indivíduos podem causar a longo prazo em organizações é substancial. 

Neste momento estou a trabalhar para outra PME – no mesmo nicho de mercado tal como a anterior (com algumas diferenças, especialmente em relação ao tipo e natureza dos investimentos que o cliente pode escolher, mas não vou entrar em detalhes técnicos e jargão financeiro porque não é esse o objectivo desta entrada) e posso confirmar que estou muito feliz.

Trabalho com pessoas que estão focadas no cliente, no serviço, que estão comprometidos em trabalhar em equipa, em crescer profissionalmente, focados na construção da empresa em conjunto e, mais importante, aqui preocupam-se com os funcionários. 
Nunca fui abusada verbalmente (sim, isso existe por estas bandas e ao pontapé), nunca me fizeram sentir que a minha opinião e ideias são inúteis ou despropositadas e reafirmam sempre que o esforço que eu colocar no meu trabalho não passa despercebido.

Cerca de dois de meses depois de começar a trabalhar onde estou, completei dois módulos de formação para funcionários de outros departamentos, tenho um plano de carreira concebido pelo meu chefe e que está em constante evolução e a forma como ele conduz a equipa tem um efeito transversal a todos os departamentos da empresa. Todos os departamentos trabalham juntos com o mesmo objectivo em mente: o cliente.

Tudo acontece por uma razão. E neste momento sinto-me super abençoada por estar onde estou agora. 
Há uma conhecida expressão que diz: "tive que beijar muitos sapos antes de encontrar meu príncipe encantado"; acredito que o mesmo pode ser aplicável à minha situação de trabalho actual. 

Às vezes paro para pensar como a minha carreira foi catapultada em menos de três anos. Está a anos-luz de distância daquilo que poderia ser impulsionada em Portugal, a menos que eu tivesse o factor C involvido. Aqui, quem trabalha com afinco e dedicação, vai longe. Aqui, os trabalhadores são efectivamente, recompensados - a menos que surjam pessoas com grandes egos e mentes pequenas! Nesse caso, provavelmente enfrentamos uma série de desafios como paredes de betão armado daqui ate a Lua e portas a fecharem-se abruptamente na nossa cara sem qualquer tipo de problema.

Já agora, se alguém que estiver a ler isto estiver nessa situação, aconselho vivamente a sair. É um desperdício da tua dedicação e energia. Ao final do dia, não vale a pena.

O Reino Unido (em relação a trabalho) é um pouco como a América (terra da liberdade e terra das oportunidades), mas num estilo europeu. E provavelmente com um pouco mais de classe. Ah, e com chá. Uma quantidade exorbitante de chá! 

Neste momento, estou a juntar dinheiro para comprar uma casa. Para tal, arranjei um part-time aos fins de semana. Qualquer pessoa que queira pedir um Crédito Habitação por aqui, precisa - em media - cerca de 10% do valor da casa e em dinheiro vivo para abater no valor inicial. Os Bancos só financiam 90%.

Comecei o meu primeiro turno este fim de semana e tendo em conta que a minha vida às vezes parece uma novela Mexicana, é certinho como o destino que já tenho histórias para contar!

Mas vou deixar essa história para outro dia :)
Share by: