by Sofia S. 09 Aug, 2017

Today, 9th of August 2017, marks ten years since the beginning of the financial crisis which had devastating effects in the life of thousands and thousands of people around the world and filled the pockets (even more) of a few privileged people.

Back in 2007 I was about to become a freshman at University as classes were about to start in a few weeks’ time. I was 23 years old, determined to give my absolute best, focused and motivated.

I went to University a bit later than most people do but life happened that way for me and that’s fine. What matters is that despite all the adversity, I went and I graduated.

In July 2007 I was partying hard in Ibiza with three of my friends and we had the best time together. Memories I will cherish forever. 

However, I don’t recall having heard anything about a financial crisis, all I knew was something about a Wall Street crash back in 1920-something and obviously, that subject was completely outside of my radar. Investments? Banks? Nah. Not a subject for me. It wasn't until Lehman Brothers collapsed that I remember the general panic and that things really started to look bad. Or maybe I was just not paying attention before.

I completed High School with a Diploma in Pottery and Ceramics. At University, studied Marketing, Advertising and PR because at 23 years old I finally decided I wanted to be a copywriter.

I wanted to be the person that writes ads and creates content; I wanted to surrender myself to my artistic vein, to allow for my creativity to fully blossom and develop. I had come to the conclusion that my path was an artistic one and it was time to embrace my future. I had it all figured out. Even when I got pregnant with my daughter during the second semester at Uni, I carried on.

I took a gap year (school year of 2008/2009) because birth was scheduled for December so I couldn’t attend the January exams relating to courses beginning in September. It was the wise thing to do.

When I returned to Uni for my second year (2009/2010) my motivation was stronger than ever. I now had the cutest tiny little human who would be looking up to me and to everything I’d do, she depended on me and it was my duty to ensure all her needs were taken care of. I started to do everything with her in mind and solely having her best interests at heart. And that’s when things changed.

Things were not good at home and that’s as far as I will go in relation to exposing that part of my life. The only thing I’ll say is this: the worst things got, the stronger my motivation to succeed would get.

As part of my course, I needed to attend a Business class. It was only one semester but that Professor gave us two separate classes so in some ways they were linked. For the sake of simplicity, let’s say I had two business classes the same semester.

A few lessons into the class and I felt like I had seen God. What on Earth had I been doing studying arts all my life because that was so not the right path for me.

I landed a job at a Bank shortly after that and from there on, I became determined to learn as much as I could on my own because switching courses to Business or Economics was not an option. I didn’t had the funds and didn’t want to feel like I’ve wasted two years of my life. Especially when I had to take into consideration that I went to Uni later than usual.

I did countless online courses on platforms like Coursera and some of them were so daunting and full of jargon – not to mention the fact they were all in English – so I actually had to repeat a few of them until I could grasp what they were on about.

I started reading the Financial Times so I could understand what was happening in the financial world. I took advantage of a few colleagues that were much more knowledgeable than me to ask questions and learn from them. I became an avid reader of a Portuguese Business newspaper and slowly things started to fall into place and words I had no idea what they meant before, I now recognized and understand them.

I did all of this while looking after a new born, whilst working and whilst attending University. Talk about will power. Looking back, I have no idea where I got the strength from but I did it nonetheless.

I have been working in this industry for nearly 10 years now. I have seen people come and people go. I am blessed to be able to work in an industry that I genuinely love. There is not a single day that goes like the previous one. Everything changes at an incredible pace and if you stop, you become obsolete.

Ten years on since the beginning of the financial crisis, have we learned anything?

I hope so. I see firms committed to give the example from the top; there is more regulation; there is more awareness.

Do I believe that it will happen again? Unfortunately yes but maybe not as the ones we’ve seen before. The financial services industry business is the money business and the goal is to make even more money using someone else’s money. It’s called an “investment” and it can go right or wrong. You risk what you can afford to lose.

The problem with that statement is that the majority of people that cannot afford to lose are usually the ones that end up losing everything even though they have never placed a penny in an investment.

It starts with a family member losing its job. Then, one bill gets left behind, then another and by the time you realise you’re receiving a letter from the Bank saying you’re facing your home is being repossessed.

It’s scary to witness how the financial crisis has long been forgotten by the industry and yet it’s the complete opposite for consumers. People  that ten years on, on a daily basis still worry about a new potential crash and what effect will it have – again – on their families and how will they cope.

It’s a cruel business the money business so I guess it’s totally legitimate for people to ask me why am I in it? How can I associate myself with such practices? The answer is simple. I genuinely believe I can make a difference. No matter how small. I believe in fairness and in righteousness. I believe in doing the right thing so I don’t mind being associated with such industry because if more of us believe in the same thing as me, maybe one day, thinking about a financial crisis where people are left to starve and homeless for no fault of their own will sound surreal and impossible.  

Thankfully, I know I'm not alone in this. I have met so many great people, so many professionals that are a tribute to this industry and profession.

I act in a way I know I will never have to bow my head in shame and in a way that it won’t disappoint my family and have their values judged by others due to my actions. I will never act in a way that will make Diana ashamed of being my daughter. I will always do what my heart tells me is the right thing to do. 

One can dream and, so far, all my dreams have come true.

Like I said. Motivation.

 

More posts

O lado feliz de emigrar que não vos contei

  • by Sofia S.
  • 02 Apr, 2017

Há seis meses escrevi uma entrada no meu blog sobre o lado triste de quando emigramos que ninguém nos diz.

O sentimento é quase como quando nos tornamos Mães pela primeira vez e não há nada que nos prepare para o parto. Desejam-nos uma hora pequenina mas não fazemos a mais pálida ideia do que nos espera!

Depois do bebé nascer temos ajuda da família nos primeiros tempos para ajudar mas passado um bocado, estamos por nossa conta. Ainda me lembro quando a Diana nasceu ter passado alguns momentos de pânico e ver a minha vida a andar para trás, isto ainda no Hospital.

Não é bem sobre este tema que quero escrever mas está de alguma forma relacionado. A Diana nasceu via cesariana ao final da tarde e eu estive sem me conseguir mexer até de manhã, altura em que Enfª veio até ao quarto e me disse que estava na hora de mexer as pernocas. Ajudou-me a descer da cama, meteu uma fralda em cima da cama juntamente com as toalhitas e disse que voltaria mais tarde para me ensinar a dar o primeiro banho.

Eu fiquei ali, feita parva a olhar para Diana com os seus quase 4Kg e 50,5cm de pessoa e a pensar “espero que ela não demore muito”. Na minha cabeça, eu achava que a Enfª voltaria para me explicar como mudar uma fralda. Se saber mudar uma fralda vem naturalmente para algumas Mães após olhar uns minutos e tentar perceber como a colocar, para mim de certeza que não veio.

O tempo passou e eu comecei a entrar em pânico porque a realidade de que a Enfª não iria voltar começou a bater. Todas as outras Mães que estavam comigo tinham tido partos naturais e parecia que não se passava nada, eu era não só a mais nova que lá estava mas a única que era Mãe pela primeira vez. E a única fisicamente debilitada.

Enquanto me imaginam num hospital com aqueles robes horrorosos, vou ajudar a vossa imaginação mais um bocadinho. Fiquem a saber que eu passei mal durante a cesariana e tiveram que me pôr a oxigénio. Para ajudar à festa tive uma reacção alérgica a um medicamento qualquer cujo efeito foi... Inchar. Mas não era um inchaço qualquer, eu fiquei literalmente (e quando digo literalmente, é LITERALMENTE) tipo boneco da Michelin!

Continuando. A enfermeira nunca mais voltava e eu comecei a olhar muito atentamente para a fralda e para a Diana. Novamente para a fralda e para a Diana. Eu tentei perceber o mecanismo da coisa e eu não me considero uma pessoa estúpida mas juro que aquela fralda, naquele momento parecia a mais avançada tecnologia espacial apenas disponível a alguns indivíduos com um QI “ligeiramente” mais alto que a média.

A confusão e o pânico na minha cabeça deve ter sido notório na minha cara porque uma das Mães veio ter comigo e gentilmente me perguntou se eu queria ajuda. Explicou-me tim-tim por tim-tim tudo o que havia a saber sobre mudar a fralda. Desde limpar com a toalhita, aplicar o creme com a correcta dosagem e como colocar a fralda. É simples mas na altura absorvi a informação e prestei mais atenção ao que ela me dizia do que alguma vez escutei alguém a explicar o que quer que fosse. Fiquei a pensar que ninguém me tinha preparado para aquilo. Mas passado uma semana eu já era pro em mudar a fralda! Era mudar com um olho aberto e um fechado, só com uma mão, atirar a fralda tipo bola de basket para o cesto e sentia-me a maior. 

Na verdade, a única veracidade nisto é a parte do olho aberto e outro fechado, os truques de basketball sóacontece nos filmes em Hollywood. Eu estava cansada demais e só queria um tempinho para tomar banho. Também ninguém me disse que tempo para tomar banho era escasso. Gostava que me tivessem dito coisas. Para eu saber com o que contar.

E daí o propósito desta entrada. Eu falei de um tema sensível com quem muita gente se identificou e quando emigramos não sabemos ao que vamos. É um Mundo novo e é normal que por vezes custe.

Sair da nossa zona de conforto não é de todo fácil. Só quem passa por isso consegue perceber os sentimentos que nos assolam principalmente em casos (como o meu) em que emigrei sozinha. E se fico doente? E se acontece alguma coisa? E se tiver um pneu furado? E se me perder? E se o Mundo acabar amanhã, morro sozinha? E se não conseguir fazer amigos? E se? E se? Muitos “ses”.

Aliás, cheguei mesmo a perder-me uma vez em que estava a chover torrencialmente. Eu tinha saído do trabalho cerca das 3 da manhã e perdi o meu autocarro habitual. Resolvi apanhar outro que sabia que ia mais ou menos para a mesma zona; era Janeiro, estava um frio de rachar (sei que parece uma música do Rui Veloso maséverdade) e o chão estava congelado. Com chuva, estava ultra mega escorregadio... Eu não tinha chapéu de chuva e o meu telemóvel estava sem bateria, logo, não podia ligar o GPS para saber onde estava. Cheguei a casa 2 horas mais tarde, ensopada, gelada e estoirada. Percebi no dia seguinte que estava a 5 minutos da minha paragem de autocarro habitual, ou seja, a 10 minutos de casa.

No meio desses “ses” e destas aventuras que rezei o mais forte que pude para nãoacontecer nunca mais (e não aconteceu) também se sucede algo mágico. Ao passo em que as mensagens de Portugal começam a cessar, novas mensagens começam a chegar por parte das pessoas que lentamente vais conhecendo. No meu caso, conheci pessoas de várias cidades no Reino Unido e de outros Países. Juntos fomos conhecendo a cidade e criámos a nossa “família” Bristoliana.

Claro que não é igual. São pessoas que acabaram de entrar nas nossas vidas, com quem estamos a criar laços, que estamos a conhecer. Parece-me natural que exista algum saudosismo com os da tua criação. Sentes falta da cumplicidade que existe quando conheces alguém hátantos anos.

Falo por mim quando digo que tive mais oportunidades profissionais juntamente com progressão de carreira nos três anos e meio que aqui estou do que alguma vez teria em Portugal se lá tivesse ficado cinquenta anos. Porque não tenho o apelido correcto ou porque os meus pais não são Drs. nem Engenheiros e não me conseguem um tacho. Porque não nasci num berço de ouro nem na localidade certa.

Vim-me embora de Lisboa com uma mala de viagem. A minha vida toda reduziu-se literalmente a uma mala de viagem. E arranquei sozinha. Não foi uma decisão fácil mas não me arrependo.

Lutei grave para estar onde estou e a minha determinação em não me vergar às circunstâncias e adversidades que se colocam à minha frente, é visto aqui como sinal de força e admiração enquanto que em Portugal é visto como uma ameaça. Não existe incentivo para sermos a melhor versão de nós próprios, não existe incentivo para continuarmos a estudar e tirar qualificações profissionais adicionais. Não há incentivos para sonhar.

Quando escrevi aquela entrada, confesso que estava triste. Estava desiludida e magoada. Contudo, muito é bom na minha nova vida e gostava que o bom também ficasse registado.

Adoro o meu trabalho, adoro a Igreja que frequento e o trabalho que fazemos pela comunidade local. Adoro a cultura Britânica, adoro um Sunday roast, scones com creme e geleia de morango e custard donuts. Adoro a arquitectura de Inglaterra, os edíficios da época Victoriana, Edwardiana; Para onde quer que olhe, vejo história e arte. Adoro ir ao pub e beber uma sidra no Verão.

A paisagem é de tirar a respiração. Adoro estar numa cidade quem tem tudo o que preciso mas bastam 10 minutos a conduzir em qualquer direcção estou no meio do campo. A quantidade de parques em Bristol é de doidos. Um parque em cada esquina e as pessoas são simpáticas, educadas e sorriem para ti.

Estou exposta a mais culturas do que alguma vez estaria em Lisboa. Conheci o meu namorado e estou super feliz por isso. Tenho no meu CV empresas para as quais já trabalhei que nem nos meus sonhos mais selvagens alguma vez teria pensado se tivesse ficado em Portugal. Trabalho numa área que adoro, sou feliz no que faço, já tirei qualificações adicionais e em Setembro vou voltar para a Universidade para uma segunda licenciatura.

Estou neste momento no processo de comprar a minha primeira casa e alguns dos meus amigos mais próximos já estão a fazer planos para me vir visitar. E a minha porta está aberta para os receber e mal consigo esperar por ter a minha família reunida em minha casa para um Natal em terras de Sua Majestade.

Emigrar tem os seus desafios mas também ganhamos tanto.

Muitos de vocês comentaram que os meus amigos verdadeiros estariam sempre lá para mim e houve alguém que referiu “E o resto... é o resto.” Muito do que vocês me disseram, teve um grande impacto em mim. Principalmente por perceber que tanta gente passou e passa pelo mesmo. Mesmo quando regressam a Portugal.

Se me sentia triste, passei a sentir-me super acarinhada com a quantidade de mensagens que recebi através do site, através de comentários, mensagens privadas no Facebook... Centenas! Gostaria de deixar aqui registado o meu agradecimento. Li TODAS as vossas mensagens. Todinhas. Não falhei uma. Não consegui responder a todos (na verdade ainda estou no processo de o fazer) mas fizeram o meu coração ficar mais quentinho e sentia falta disso.

Fazemos escolhas, aprendemos com a vida e seguimos em frente. Li há pouco tempo uma frase que dizia: “Não comas a vida com garfo e faca... Lambuza-te!”.

E é isso mesmo que estou a fazer, a lambuzar-me com pessoas pessoas, a respirar novas culturas e conhecer novos sítios. 

Estou a assimilar e viver cada dia como a benção que é e se por vezes a saudade bate e me sinto triste, levanto-me, sacudo a poeira e conto as minhas bençãos porque elas ultrapassam em muito o que perdi. E isso também serve de testemunho porque sei que não sou aúnica. 

Todos vocês são testemunho da perseverança que nos caracteriza enquanto povo e o mais belo exemplo daquilo que a Humanidade tem para oferecer: compaixão pelo próximo. Vocês são um elogio a Portugal.
Share by: