by Sofia S. 09 Aug, 2017

Today, 9th of August 2017, marks ten years since the beginning of the financial crisis which had devastating effects in the life of thousands and thousands of people around the world and filled the pockets (even more) of a few privileged people.

Back in 2007 I was about to become a freshman at University as classes were about to start in a few weeks’ time. I was 23 years old, determined to give my absolute best, focused and motivated.

I went to University a bit later than most people do but life happened that way for me and that’s fine. What matters is that despite all the adversity, I went and I graduated.

In July 2007 I was partying hard in Ibiza with three of my friends and we had the best time together. Memories I will cherish forever. 

However, I don’t recall having heard anything about a financial crisis, all I knew was something about a Wall Street crash back in 1920-something and obviously, that subject was completely outside of my radar. Investments? Banks? Nah. Not a subject for me. It wasn't until Lehman Brothers collapsed that I remember the general panic and that things really started to look bad. Or maybe I was just not paying attention before.

I completed High School with a Diploma in Pottery and Ceramics. At University, studied Marketing, Advertising and PR because at 23 years old I finally decided I wanted to be a copywriter.

I wanted to be the person that writes ads and creates content; I wanted to surrender myself to my artistic vein, to allow for my creativity to fully blossom and develop. I had come to the conclusion that my path was an artistic one and it was time to embrace my future. I had it all figured out. Even when I got pregnant with my daughter during the second semester at Uni, I carried on.

I took a gap year (school year of 2008/2009) because birth was scheduled for December so I couldn’t attend the January exams relating to courses beginning in September. It was the wise thing to do.

When I returned to Uni for my second year (2009/2010) my motivation was stronger than ever. I now had the cutest tiny little human who would be looking up to me and to everything I’d do, she depended on me and it was my duty to ensure all her needs were taken care of. I started to do everything with her in mind and solely having her best interests at heart. And that’s when things changed.

Things were not good at home and that’s as far as I will go in relation to exposing that part of my life. The only thing I’ll say is this: the worst things got, the stronger my motivation to succeed would get.

As part of my course, I needed to attend a Business class. It was only one semester but that Professor gave us two separate classes so in some ways they were linked. For the sake of simplicity, let’s say I had two business classes the same semester.

A few lessons into the class and I felt like I had seen God. What on Earth had I been doing studying arts all my life because that was so not the right path for me.

I landed a job at a Bank shortly after that and from there on, I became determined to learn as much as I could on my own because switching courses to Business or Economics was not an option. I didn’t had the funds and didn’t want to feel like I’ve wasted two years of my life. Especially when I had to take into consideration that I went to Uni later than usual.

I did countless online courses on platforms like Coursera and some of them were so daunting and full of jargon – not to mention the fact they were all in English – so I actually had to repeat a few of them until I could grasp what they were on about.

I started reading the Financial Times so I could understand what was happening in the financial world. I took advantage of a few colleagues that were much more knowledgeable than me to ask questions and learn from them. I became an avid reader of a Portuguese Business newspaper and slowly things started to fall into place and words I had no idea what they meant before, I now recognized and understand them.

I did all of this while looking after a new born, whilst working and whilst attending University. Talk about will power. Looking back, I have no idea where I got the strength from but I did it nonetheless.

I have been working in this industry for nearly 10 years now. I have seen people come and people go. I am blessed to be able to work in an industry that I genuinely love. There is not a single day that goes like the previous one. Everything changes at an incredible pace and if you stop, you become obsolete.

Ten years on since the beginning of the financial crisis, have we learned anything?

I hope so. I see firms committed to give the example from the top; there is more regulation; there is more awareness.

Do I believe that it will happen again? Unfortunately yes but maybe not as the ones we’ve seen before. The financial services industry business is the money business and the goal is to make even more money using someone else’s money. It’s called an “investment” and it can go right or wrong. You risk what you can afford to lose.

The problem with that statement is that the majority of people that cannot afford to lose are usually the ones that end up losing everything even though they have never placed a penny in an investment.

It starts with a family member losing its job. Then, one bill gets left behind, then another and by the time you realise you’re receiving a letter from the Bank saying you’re facing your home is being repossessed.

It’s scary to witness how the financial crisis has long been forgotten by the industry and yet it’s the complete opposite for consumers. People  that ten years on, on a daily basis still worry about a new potential crash and what effect will it have – again – on their families and how will they cope.

It’s a cruel business the money business so I guess it’s totally legitimate for people to ask me why am I in it? How can I associate myself with such practices? The answer is simple. I genuinely believe I can make a difference. No matter how small. I believe in fairness and in righteousness. I believe in doing the right thing so I don’t mind being associated with such industry because if more of us believe in the same thing as me, maybe one day, thinking about a financial crisis where people are left to starve and homeless for no fault of their own will sound surreal and impossible.  

Thankfully, I know I'm not alone in this. I have met so many great people, so many professionals that are a tribute to this industry and profession.

I act in a way I know I will never have to bow my head in shame and in a way that it won’t disappoint my family and have their values judged by others due to my actions. I will never act in a way that will make Diana ashamed of being my daughter. I will always do what my heart tells me is the right thing to do. 

One can dream and, so far, all my dreams have come true.

Like I said. Motivation.

 

More posts

Memórias de uma vida diferente

  • by Sofia S.
  • 30 Sep, 2016
Hoje a meio da tarde li um artigo relativamente ao aumento do salário mínimo. Acabei por partilhar o link no meu Facebook e desabafar (mais uma vez) a minha frustração e tristeza com o estado do meu País juntamente com a minha confusão com a indiferença do povo Português.

Já estou em Inglaterra há mais de três anos e quando olho para trás, visualizo dois cenários completamente diferentes. Numa tela vejo como a minha vida mudou, o quanto aprendi, o quanto cresci e o quanto já vivi em Inglaterra. E na tela que representa Portugal não vejo nada. Tudo estático. Nada mudou. E isso custa-me. Pela minha família, pelos amigos, por aqueles que parece que não têm voz ou a quem a voz se esgotou porque os gritos de desespero por ajuda para aqueles que nos deviam servir não tiveram qualquer efeito.

Eu compreendo. Toda a gente tem o seu limite. Uns resignam-se, outros juntam-se a eles e outros, como eu, emigram.

Mas adiante. A minha Mãe comentou no meu post e mencionou a minha situação de há uns anos quando estava grávida em que, muito basicamente, fui despedida da TvCabo, onde na altura trabalhava a full time.

Um pouco de background à situação. Comecei a trabalhar para a TvCabo quando tinha 19 ou 20 anos. Foi o meu segundo trabalho a sério, o primeiro foi no 1696 na TMN.  

Comecei como muita gente, no call centre. Estava na linha de retenção.
A linha de retenção é aquela linha dedicada que quando alguém contacta um serviço a dizer que quer rescindir, fala com um menino ou uma menina muito simpático/a e lhe é oferecida uma oferta ou um desconto para que a pessoa mantenha o serviço. Eu era uma dessas meninas simpáticas e foi lá que conheci o Pai da minha filha que também lá trabalhava.

Passado uns anos, abriu uma vaga para o Departamento de Auditorias onde eram avaliadas as chamadas dos operadores de diversas linhas de apoio ao cliente; eu consegui a vaga e transferiram-me para esse Departamento.  

Problema? Deixava de estar empregada com contracto apesar de continuar empregada por uma agência diferente (Reditus)   MAS   teria que começar a passar recibos verdes.

Ora bem, eu na altura tinha talvez uns 21 anos e recibos verdes para mim não significava grande coisa. Existiam algumas notícias que davam conta dos “falsos recibos verdes” mas a informação era escassa e para ser sincera isso estava completamente fora do meu radar, por ingenuidade minha achava que falsos recibos verdes é para quem trabalha para empresas que não são de confiança.

Acima desse Departamento, só os altos quadros. Isto significava progressão de carreira. "Bora lá", pensei eu.

Aos 23 anos, resolvi ir para a Universidade. Fui mais tarde que o normal por motivos pessoais mas na altura a minha vida estava estável o suficiente e tinha o apoio da minha família então candidatei-me e entrei.

Entrava na TvCabo cedinho de manhã, à hora de almoço ia para a Universidade e depois voltava ao final da tarde e trabalhava até tarde. Perdi conta às vezes que saí daquele edifício à meia-noite… Mas o meu trabalho não dependia de ninguém e a minha chefe concordou que não havia problema em eu dividir o meu horário assim desde que o trabalho aparecesse feito. (Obrigada Su, és especial. Beijinho.)

Entretanto, houve mudança de chefias e eu engravidei. Estava grávida de 3 meses sem saber. Dia sim, dia não ia parar ao hospital porque me sentia super mal. Exames de gravidez? Negativo. Testes ao sangue? Tudo bem. Ecografia? Tudo fantástico e maravilhoso. Cheguei ao ponto de achar que tinha um tumor no cérebro por causa das náuseas e tonturas constantes. Mas não, era “só” a Diana que os médicos não conseguiam detectar!

Tive muitos problemas durante a gravidez e isso forçou-me a ter que parar de trabalhar aos 5 ou 6 meses de gestação.  

Foi aí que percebi da pior maneira que o termo “recibos verdes” significa que direitos é uma palavra que automaticamente deixa de fazer parte da tua vida.  
Juro que sentia que estava a viver um pesadelo. Tentei falar com chefias que podiam fazer alguma coisa (como empregarem-me para que eu pudesse receber ordenado durante a baixa e quando a Diana nascesse), mas em vão.

Pessoas que se sentaram a 5 metros de mim, na mesma sala durante 2 ou 3 anos, com quem convivi fora do trabalho e que quando chegou a altura de provar o tipo de ser humano que eram, simplesmente ignoraram-me.

Lembro-me como se fosse hoje. Abordei uma colega que hierarquicamente era superior a mim e pedi-lhe ajuda. Ela já era Mãe com três filhos, achei que como Mãe ela seria compreensiva. Expliquei o que se passava e que não queria perder o emprego (algo que ela já estava a par). O desconforto na cara dela era notório. Não porque ela não pudesse fazer nada mas simplesmente não quis ajudar porque não era a responsabilidade dela.  

Perdi mesmo o meu emprego e fiquei de baixa médica sem direito a nada, sem ser o apoio à natalidade implementado pelo José Sócrates que na altura era cerca de €146 por mês. Esse incentivo foi entretanto abolido porque como toda a gente sabe, Portugal tem abundância de crianças! Passei mal nessa altura. Bem mal! E a minha fé nas pessoas ficou bastante abalada.

Claro que investiguei tudo sobre recibos verdes, algo tinha que estar errado e descobri que eu era um caso de falsos recibos verdes por variadíssimas razões. Tentei avançar com processo em tribunal mas também isso em vão. Fiz queixa na Direcção Geral do Trabalho mas nada aconteceu. Ninguém queria saber. E eu estupefacta.

Depois de uma gravidez complicada e que inclusivamente me obrigou a estar internada, a Diana nasceu via cesariana em Dezembro. Tinha ela 3 meses de idade quando a minha Mãe me disse que precisava de ajuda na escola dela e que considerando que eu tinha contas para pagar, se eu queria ir trabalhar com ela. Aceitei. Levava a menina comigo todos os dias de manhã para Lisboa e lá passávamos o dia as três juntas.

Meses muito complicados mas de alguma forma, com a ajuda da minha família, lá superei, lá me levantei, lá voltei para a Universidade e lá me formei.

Isto tudo para dizer que a Diana vai agora fazer 8 anos. E em 8 anos, Portugal continua podre. Corrupção em todo o lado e é o País onde políticos roubam sempre daquele que menos pode suportar perder nem que seja €1.

Eu agora vivo num País onde isto seria impensável acontecer e caso acontecesse, o empregador estaria em muitos maus lençóis. E eu receberia uma grande compensação financeira.

Fico parva com as notícias que me chegam. A UGT a fingir que se importa com os trabalhadores e a pedir um aumento de salário mínimo para os €565 mensais e o Governo a dizer que os empregadores não conseguem suportar esse valor.  

É como se estivesse a assistir a uma peça de teatro de fraca produção com péssimos actores a quem me apetece atirar ovos para cima e exigir o meu dinheiro de volta. O problema é que esses ovos são provavelmente o almoço e o jantar de muita gente e a cortina fecha-se comigo incrédula de como é que isto continua a acontecer num País que supostamente pertence à UE e em 2016.

E depois espantam-se de eu ser a favor do Brexit. Encher mais o cú a essa gente mesmo estando aqui? Não obrigada. Sim, porque o dinheiro que Inglaterra paga à UE é fruto dos impostos que aqui pago. Estive perto de passar fome pela ausência de protecção para mim e para a minha filha por parte do Governo. Já tive a minha dose.

Finalizo com uma questão que continua a pairar na minha mente: como é que há pessoas que deitam a cabeça na almofada ao final do dia e conseguem dormir sabendo o mal que fazem a milhares de pessoas diariamente? Não consigo compreender.
Share by: